À conversa com Raquel Cabaço, resiliente, forte e guerreira

Raquel Cabaço de 34 anos, iniciou-se no desporto escolar, nomeadamente futebol, andebol, acabando por ser no voleibol o desporto onde esteve mais anos, e onde obteve mais sucesso tanto a nível individual, bem como coletivo.

Vive em Évora, cidade de onde é natural. Desempenha funções na Câmara Municipal de Évora, como Professora de Atividade Física e Desportiva no âmbito das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1º Ciclo do Ensino.

Para além disso, é treinadora de Atletismo e Personal Trainer no Clube Raquel Cabaço e uma das Técnicas Responsáveis pelo Centro de Marcha e de Corrida de Évora.

E depois desta breve apresentação sobre esta atleta que venceu a Meia Maratona de Évora, porque não ficar a conhecê-la um pouco melhor, e inclusive conhcer os motivos que a levaram a criar um clube com o seu nome.

Leia também

Cabaço e Rivera espalham o seu charme em Évora

Évora 21.27, a festa da Meia Maratona chegou

Texto: Henrique Dias / OPraticante.pt
Fotos: Cedidas pela atleta / Carlos Neves

Página da atleta

Página do Clube Raquel Cabaço

Raquel Cabaço

Raquel Cabaço “ vencer em Évora (minha cidade de coração) ”

Raquel Cabaço começou por nos dizer “Sempre fiz corrida de forma lúdica, quando ingressei na Faculdade de Letras, da Universidade de Lisboa, devido à proximidade do Estádio Universitário, para aliviar o stress de estudo.

Fazia ali os meus treinos e assistia aos treinos de atletas que já faziam competição, crescendo em mim cada vez mais a paixão e a motivação de praticar atletismo de competição.

Aos 22 anos regressei à minha terra Natal, (Évora) recebi um convite para ir experimentar, um treino com orientação com o técnico João Ferrão, treinador do Grupo Desportivo Diana, Clube representei durante aproximadamente 10 anos.

Aqui fica a surpresa para a Raquel com as palavras do técnico João Ferrão pronunciou em relação a ela “A Raquel, iniciou-se no Atletismo em 2011, no Grupo Desportivo Diana, Clube que representou deste essa altura até 2019, tendo eu sido seu treinador nesse espaço de tempo.

Nesse período , fruto do treino e da sua dedicação obteve as suas melhores marcas pessoais, nomeadamente nos 3000m, 5000m e Meia Maratona, tendo também feito a estreia na Maratona, com uma marca promissora.

O Grupo Desportivo Diana, foi Campeão Nacional da 3ª Divisão em 2014, 2016 e 2019 e Vice campeão da 2ª Divisão pista coberta, em 2016, tendo a Raquel feito parte da equipa nestas conquistas.

Em Abril de 2019, concluiu o estágio do estágio do curso de Treinadora de Grau I, no qual eu fui seu Tutor.

Raquel Cabaço quais os resultados mais prestigiantes que alcançaste até ao momento?

Objetivamente todos os resultados foram e são para mim importantes, no entanto tive momentos que me marcaram na carreira, desde as vitórias no Grande Prémio de São João em Évora, no Grande Prémio da Cruz da Picada e ter feito pódio em várias Meias-Maratonas em algumas cidades de Portugal e Espanha.

Mas tenho que destacar dois resultados em particular a minha primeira maratona realizada em Espanha e o outro sem dúvida alguma, foi vencer a última edição da meia-maratona realizada em Évora (minha cidade de coração), principalmente representando o Clube Raquel Cabaço.

O que mais gostas no atletismo, atleta ou treinadora?

Neste momento, ainda não consigo desassociar enquanto atleta e treinadora, dessa forma, considero que é muito importante nesta fase ser as duas.

Como atleta:

Posso considerar que a corrida é a expressão mais pura da minha essência, para mim correr é a minha terapia, no fundo é a minha estratégia implícita ao meu condicionamento físico.

Enquanto o meu cérebro e os processos fisiológicos deixarem nunca vou abandonar as corridas…

Como Treinadora:

Para mim é uma grande riqueza e tenho objetivos bem definidos, acaba por ser uma motivação extra e procuro ser enquanto atleta o exemplo para os meus atletas, respeitando-os sempre… o treinador é determinante por organizar, avaliar o processo do treino tendo em consideração vários parâmetros no rendimento dos alunos/atletas.

Como sabe o atletismo não são só corridas é uma variedade de práticas, (Corridas, saltos, lançamentos, etc.) Os bons treinadores são 50% de conhecimento técnico do atletismo e 50% de inspiração.

Vou concluir e dizer-lhe que ser atleta e treinadora é um complemento de um milagre que ainda não terminei…, mas que tive a coragem de começar…

Raquel Cabaço

Como surgiu a ideia de criares o Clube Raquel Cabaço?

Na minha mente sempre sonhei com este projeto de um clube desportivo porque sempre me revi em ser desportista, fazer algo pelo desporto no meu caso o atletismo.

Posteriormente uma das grandes dúvidas, foi qual o nome que seria escolhido para o clube, surgiu daí a possibilidade de ter o meu nome, com todos os valores desportivos, experiência e conhecimento que tenho adquirido ao longo dos anos.

Hoje analisando, creio que foi uma escolha bastante acertada, até porque a minha vida não teria sentido se assim não fosse o desporto e é hoje reconhecido em muitas culturas como parte indispensável da vida civilizada.

O seu valor no processo de desenvolvimento das crianças e jovens é inquestionável. É, sem dúvida, um importante fator de desenvolvimento humano.

Poder transmitir todas as minhas sensações a outros e principalmente a crianças no desporto adaptado é um milagre da minha vida…

Não posso deixar de fazer um agradecimento e o mais sentido vai para um grupo de amigos que se juntaram comigo (Professor Orlando, Luís Borges, Ana Borges, Ester Pinto, Nuno Carpinteiro, Fábio Bazílio e à minha Lebre João André, entre outros), por toda a sua disponibilidade e interesse em ajudar, o seu apoio e compreensão demonstrada ao longo deste tempo.

À minha família onde merece especial destaque os meus pais e irmão eles sabem porquê! Aos meus amigos.

Por final a todos que de algum modo me ajudaram ou influenciaram a seguir este caminho.

A todos, o meu sentido agradecimento. Muito Obrigado!

Raquel Cabaço

Como motivas uma pessoa a praticar atividade desportiva?

No meu Clube “Raquel Cabaço” somos um grupo de amigos que partilha o gosto pela corrida.

A amizade e a entreajuda são nossos lemas da qual temos um slogan: “Sempre juntos e mais fortes”.

Promovemos treinos de vários níveis e a todos os que pretendem sair da sua zona de conforto e evoluir serão bem-vindos.

A minha visão consiste em permitir a todos a experiência de correr ou caminhar, usufruindo do apoio de uma comunidade que nunca deixará ninguém para trás.

É também claro que construo um treino mental, planificado e bem planeado, respeitando a individualidade biológica e psicológica de cada atleta.

O feedback é muito importante porque é uma troca de informações dos dois lados, de técnico para o atleta e do atleta para o técnico.

Os objetivos que traçaste para o teu Clube estão a concretizar-se?

Como referi na resposta anterior há um milagre que ainda não terminei…, mas que tive a coragem de começar… e com a ajuda de todos e também de Deus o meu coração vai-se preenchendo de felicidade…

Espero concretizar algo muito relevante com o desporto adaptado… o Centro de Marcha e de Corrida de Évora: Foi um projeto e um sonho que começámos com o Professor Pedro Rocha, será sempre uma forma de agradecimento e homenagem para ele.

O objetivo principal do centro passa por promover hábitos de vida ativa e saudável na procura do lazer, na saúde e a melhoria da qualidade de vida da população através da prática regular da marcha e corrida, bem como envolver e desenvolver mecanismos de cooperação entre diferentes instituições (clubes, associações desportivas, escolas, entre outras) para um projeto municipal no âmbito da modalidade.

Mas sem dúvida, que o grande objetivo do Clube são Camadas Jovens em que temos dois grupos: o Elementar e o Avançado.

A formação das crianças nestes grupos é multidesportiva, envolvendo o contacto com atividades de Atletismo e Ginástica.

Todas as tarefas motoras que nós chamamos habilidades, são mais facilmente aprendidas pelas crianças nesta fase.

O confronto com um leque de vivências diversas possibilita uma melhor aprendizagem, permite um harmonioso desenvolvimento das capacidades motoras, aumenta a motivação e fomenta o desenvolvimento das habilidades motoras.

Quanto tempo investes no atletismo enquanto atleta (treino, competição, etc)?

Para termos resultados no atletismo, temos que investir bastante tempo, não existe outro caminho para obter os resultados que ambicionamos, dessa forma, faço cerca de 11 treinos semanais, o que inclui entre 3 a 4 treinos bi-diários.

Um dia normal para mim é acordar às 6:30 da manhã, ir treinar cerca de uma hora, posteriormente ir para o trabalho, por volta das 17:00 fazer o treino da tarde e dar treino às 18:30 aos meus atletas.

Relativamente às competições, depende muito do foco do número de provas que tenho em mente para essa época, por exemplo se o objetivo nessa época for realizar uma maratona, o número de provas será muito reduzido.

A preparação para uma maratona no mínimo, são entre 3 a 4 meses, depois temos a recuperação pós-maratona que temos que analisar muito bem o nosso organismo.

Por isso, realizo em média cerca de 10 provas por ano, por exemplo uma maratona, três a quatro meias-maratonas, algumas provas de 10 kms e se o clube precisar um corta-mato ou prova de pista.

É muito importante, que se perceba que os atletas para melhorarem os seus desempenhos desportivos, necessitam de bons períodos só a treinar, isso é que vai permitir otimizar as suas capacidades e qualidades, depois com o aproximar da competição-alvo, colocam provas para ganhar o “ritmo competitivo”.

Raquel Cabaço

Raquel Cabaço a pandemia afetou a preparação?

No contexto de cumprir os protocolos das instituições sanitárias foi muito difícil durante o confinamento realizar os treinos, mas a consciência de que o risco de uma propagação da Covid-19 doença que nos torna iguais é essencial o respeito e cumprir com as normas que foram aplicadas.

Na verdade, o nosso clube “Raquel Cabaço” cumpriu em tudo, respeitou as normas…

Quanto foi concedida autorização para o treino fizemo-lo individual e longe de qualquer aglomeração, privilegiando sempre a corrida no campo individual.

Após alguns meses a Câmara Municipal de Évora também nos auxiliou com a autorização para atletas federados na realização dos treinos em pista à porta fechada com comprovativo de teste e vacinação.

Um agradecimento ao departamento de juventude e do desporto da Câmara Municipal de Évora.

Raquel Cabaço
Foto: Carlos Neves

O que significa para ti o resultado que alcançaste na Meia Maratona de Évora?

Como já referi anteriormente, para estar perto da vitória ou atingir um resultado ou os nossos objetivos, são precisas muitas horas de treino, muita dedicação.

Um atleta tem que treinar muito, buscar alcançar o seu melhor e abrir mão de uma série de coisas, todos os dias.

Ser atleta não é fácil, quando falamos em gerir vitórias e derrotas, alegrias e frustrações.

Mas respondendo à sua pergunta ganhar em Évora tem um sabor especial, ganhar na terra que me viu nascer e no dia dos anos do meu pai, é um culminar de emoções sem precedentes que me vai ficar na memória para sempre, posso-lhe dizer que foram 12 anos de muito treino, para que tal fosse possível, ao longo da prova pensei várias vezes nisso.

Posteriormente, foi uma prova em que o meu clube teve cerca de 50 atletas a participarem nas várias distâncias, também por eles consegui ter forças para conquistar a vitória.

O que ainda gostarias de alcançar no atletismo?

Vou procurar responder primeiramente enquanto atleta, claro que todos temos objetivo de chegar ao alto rendimento depois chegar às medalhas, pódios olímpicos, etc. não sei o dia de amanhã, mas trabalho todos os dias e o futuro para mim de certeza que já está reservado e o que for para mim será…

Enquanto treinadora gostava de ajudar os meus atletas a potenciar as suas capacidades deles e serem tão felizes como eu a praticar o atletismo, aproveito para vos deixar este pensamento de Emil Zatopek:

Não podes subir ao segundo andar sem uma escada. Quando se define o objetivo muito alto e não se consegue cumprir, o entusiasmo transforma-se em amargura.

Tenta um objetivo que seja razoável e, em seguida, gradualmente aumentá-lo”.”

A moda um dos meus hobbies

Quais são teus hobbies / interesses fora do atletismo?

Conviver com a minha família porque o tempo de atleta e treinadora rouba-me esse prazer, passear com as minhas cadelas cockers, fazer alguma leitura e procurar fazer algum trabalho de reflexão individual e de meditação.

A fé proporciona a conciliação

Como concilias a competição, equipa, trabalho e família?

Os pais assumem um papel fundamental e crucial para o sucesso da formação e da construção de uma carreira desportiva.

Felizmente tanto os meus pais, como a restante família e amigos estão comigo nos momentos bons e menos bons, o que me ajuda a crescer. Ser atleta e treinadora e trabalhar não é fácil como podem imaginar.

Relativamente ao trabalho, o grande problema igualmente é, que o atletismo não é visto como uma modalidade, em que o atleta tenha um futuro profissional, até mesmo pelos valores que são praticados, infelizmente são muito poucos, se compararmos por exemplo com os apoios que são dados ao futebol.

Era bom que o atletismo tivesse mais apoio, mais incentivos, a grande problemática é o peso que o atletismo e as outras modalidades ditas amadoras acabam por ter em termos das decisões governamentais, oxalá o futuro seja melhor.

Raquel Cabaço
A minha família o meu orgulho

Do que mais te orgulhas na tua vida?

Na minha vida já tive altos e baixos, mas sei o valor que tenho, tornei-me resiliente, forte, guerreira, honesta e consigo ter serenidade e suavidade para o tempo em paz e bem-estar comigo e com o próximo.

Tenho orgulho de ser quem sou e de todas as minhas decisões tomadas…

Parceiros

Deixe uma resposta