Borges atinge final histórica no Oeiras Open

Nuno Borges

Nuno Borges qualificou-se para a primeira final de singulares da carreira em torneios do ATP Challenger Tour, ao derrotar Gastão Elias no segundo Oeiras Open.

Evento organizado pela Federação Portuguesa de Ténis no Complexo Desportivo do Jamor.

Depois, Gonçalo Oliveira deu os passos certos para se juntar a ele, mas a chuva, que já tinha perturbado a jornada, ditou o adiamento do encontro para domingo.

Texto: Gaspar Ribeiro Lança
Fotos: Sara Falcão

Sitio oficial do evento.

Nuno Borges derrotou Gastão Elias num dia perturbado pela chuva

Depois dos primeiros quartos de final e das primeiras meias-finais, o tenista maiato de 24 anos (que é o número 378 do ranking ATP) derrotou o compatriota Gastão Elias, por 4-6, 6-2 e 6-3 em 2h15, para chegar à primeira final da carreira a este nível.

Num dia marcado pela chuva, que chegou pela primeira vez ao Oeiras Open desde o início do torneio, os dois tenistas portugueses tiveram de lidar com várias interrupções e recomeços até que o mais novo de ambos se revelou superior e consumou uma reviravolta em que, como revelou mais tarde, chegou a não acreditar.

Ainda estou a tentar perceber como é que fui buscar o jogo, o segundo e o terceiro set foram muito duros e estou muito orgulhoso”, começou por referir o campeão nacional absoluto.

Não escondendo estar a superar as próprias expetativas: “Não esperava estar em duas finais.

Na primeira semana perdi na primeira ronda e agora estou na final… Não sei explicar.

É um jogo de cada vez e de alguma maneira aqui estou, com uma oportunidade de ganhar o torneio duas vezes.

Nuno Borges
Gastão Elias

“Nuno Borges entrou melhor do que eu”

Gastão Elias, que na semana anterior jogou a final do primeiro Oeiras Open, lamentou as oportunidades desperdiçadas, mas elogiou o compatriota: “Ele entrou melhor do que eu e jogou bem do início ao fim.

No primeiro set vacilou um bocado num jogo de serviço e depois no segundo eu tive pontos de break para fazer o 2-0 e se conseguisse concretizá-los talvez a história tivesse sido outra.

No terceiro set aconteceu exatamente a mesma coisa, tive pontos de break para fazer o 2-0, mas quem não aproveita as oportunidades acaba por receber o troco e foi isso que aconteceu.

Ele esteve bastante bem, foi muito sólido, muito agressivo e teve a iniciativa dos pontos e isso fez a diferença.

Na despedida do Estádio Nacional do Jamor, o português de 30 anos (ex-top 60 ATP) anteviu um futuro de sucesso para Nuno Borges: “Tem todas as qualidades para chegar longe e quando digo longe considero-o um jogador com qualidades para alcançar o top 100 facilmente.

Não é que seja fácil, mas com tudo o que tem acredito que o consiga fazer.

É um miúdo cinco estrelas, está sempre a rir, é simpático e tem um grande futuro pela frente.

Gonçalo Oliveira

Gonçalo Oliveira com meia-final adiada

Depois de Nuno Borges, Gonçalo Oliveira procurava fazer do Oeiras Open o primeiro torneio ATP Challenger a contar com uma final de singulares entre dois jogadores portugueses, mas foi interrompido pelo mau tempo.

O português liderava por 5-4 e preparava-se para servir para fechar o primeiro parcial quando a chuva regressou e ditou o fim definitivo da jornada.

Agora é focar-me e se começar bem tenho o primeiro set na minha mão”, referiu o portuense após saber que já não regressaria ao court.

Continuo esgotado, mas a gerir as minhas forças.

Primeiro tenho de ganhar este encontro, não estou a pensar na final”.

Adiada foi, também, a final de pares, que vai colocar frente a frente os portugueses Nuno Borges/Francisco Cabral e Pavel Kotov/Chun-hsin Tseng, da Rússia e do Taipé.

Oeiras Ladies Open começa este domingo com a qualificação

O dia de todas as decisões do ATP Challenger 50 Oeiras Open II será, também, o primeiro dia de Oeiras Ladies Open, ITF de 60.000 dólares que marca o regresso do ténis internacional feminino ao mais alto nível ao Complexo Desportivo do Jamor.

O torneio tem início com os encontros do qualifying, no qual vão a jogo seis portuguesas: Sara Lança e Inês Oliveira entraram diretamente fruto das habituais “movimentações” de última hora, enquanto Matilde Jorge, Maria Santos, Carolina Azadinho, Mafalda Guedes e Sashi Kempster receberam os cinco wild cards disponíveis.

Já para o quadro principal, os convites foram entregues a Francisca Jorge, Inês Murta, Ana Filipa Santos, Elizabet Hamaliy — que está a terminar o processo de obtenção de nacionalidade portuguesa — e Beatriz Haddad Maia, tenista brasileira que já foi número 58 mundial e que no último ano conquistou quatro títulos em Portugal (Montemor-o-Novo, Santarém, Porto e Funchal).

Parceiros

Deixe uma resposta