Europarque BioRun, parecia um desafio fácil, mas não foi

Europarque BioRun

Europarque BioRun, mais um evento organizado pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, com o apoio da RunforFeira. Um percurso circular pelo zonas limítrofes do Europarque, uma mistura de estrada e Trail com duas opções de participação o percurso de duas voltas, totalizando um total de 10 Km, de carácter competitivo com os respectivos prémios e uma opção de caminhada de 5 Km.

PortugalFit’19

Este ano a zona de partida e da meta, foram ligeiramente alteradas estava a ocorrer um evento de importância a nível nacional, PortugalFit’19, várias acções de formação, workshops, várias marcas representadas com descontos e promoções locais, no mundo do fitness, alimentação, mente e estratégias de gestão.

Eu próprio pude dar uma espreitada numa aula de zumba com visão do exterior, que convidava a entrar neste evento, para aprender qualquer assunto dos propostos pelo PortugalFit’19.

Com o PortugalFit’19, a acontecer no Europarque, surgia uma imensidão de carros no parque de estacionamento e na minha opinião, a adesão aos eventos desportivos tem aumentado ano após ano, pela aposta realizada pela Câmara Municipal.

PortugalFit’19

O Início… Europarque BioRun

Nesta prova, o levantamento de dorsais foi realizado no dia anterior, a deslocação era perto e não existia a distribuição de dorsais no dia. Decerto que existiu algumas excepções para quem viajava de mais longe.

Um passeio pelo parque a ver os patos, que a comunidade tem vindo a aumentar e as já as famosas carpas que se encontram no lago, com tamanhos surpreendentes, tinha sugerido levar pão para alimentar os animais e em simultâneo podíamos observar os tamanhos descomunais dos peixes.

Passamos pelo café local para um café e a equipa que representa OPraticante.pt, tinha de dar uma voltinha para um ligeiro aquecimento, a chuva não era convidativa e lá fizemos um aquecimento curto e rápido pela zona do parque e fomos para a partida…

Europarque BioRun

A prova…

Já no local de partida a chuva “refrescava” as mentes, notava-se o nervosismo de alguns participantes e o Lobo solitário (eu), fico sempre um pouco, nervosismo saudável. Também estava presente a claque que desta vez se refugiou no café local, pudera com esta chuva.

Contagem decrescente e ai vamos nós rumo ao desafio, a prova prometia ser traiçoeira, quando oiço um título de “Bio”, não fico confortável e a minha mente já não se recordava do percurso.

Iniciamos em alcatrão numa subida “manhosa”, pois sobe ligeiramente, mas o até ao ponto de retorno é sempre em subida constante, após este ponto, tudo o que sobe desce e estávamos a ver a malta em dificuldades na subida e a tentar encontrar alguém conhecido, como é habito, para incentivar ou talvez, em alguns casos, para demonstrar que já vamos na frente. Cada um com a sua maneira de ser, o companheiro de equipa, o Fernando, já ia destacado na frente…

Trilhos…

Depois do alcatrão entramos numa zona de trilho, mas algo curto, pouco depois estávamos novamente em estrada, uma mistura e mais uma rampa, que abanava a cada passada dos atletas. Mas tudo o que abana é bom sinal e assim tem de ser, segundo a engenharia… Ahahahah…

Muita adesão a esta prova, não pensava que teria tanta adesão, mas gostei de ver pois a prova fica com mais magia e espírito competitivo.

Visualizo ao longe uma zona com muita lama, o que me ocorre de imediato, escolhi mal as sapatilhas de prova, tinha de ser sapatilhas para Trail, pois assim seria uma luta entre o equilíbrio e a corrida….

Europarque BioRun

 

Gatinhando pela lama… no Europarque BioRun

Não tínhamos opções de fuga, a lama era abundante devido aos dias anteriores de muita chuva, neste dia, apesar de a chuva acompanhar a cada passo, até foi agradável correr assim, era possível ir arrefecendo a “máquina”.

A dada altura, os trilhos complicam, com uma descida acentuada e todos tínhamos receio de cair, mas nestas circunstâncias a regra é não travar, acelerar, pelas duas passagens consegui ultrapassar bem este obstáculo.

Na subida seguinte, o ritmo era abrandado por todos, uns pediam cordas “reclamando” com a organização, outros como eu, iam gatinhando pela lama, tentando chegar ao ponto mais alto e continuar a prova, entre empurrões e puxões, a malta entre ajudava-se e agradecimentos não faltavam, basicamente, o espírito de Trail e não de competição.

Será que o ser humano com as dificuldades fica mais doce e compreensivo entre eles?

Europarque BioRun

Linha da meta…

Depois deste lamaçal, entravamos novamente em estrada, o que era bom para recuperar algum fôlego e perceber que estamos a concluir a primeira volta. Muito apoio se via na linha de passagem, a meio da prova, mas a linha da meta seria após 5 km.

Não tenho muito para acrescentar na segunda volta, o percurso era exactamente o mesmo com a agravante que a lama, estaria mais solta e as zonas de passagem seria praticamente mais difíceis. Saliento a dificuldade que tive a passar de uma zona de trilho para o percurso em volta do lago, em que a relva começou a ficar muito remexida e tínhamos de fugir da zona em que mais atletas tinham efectuado a sua passagem.

A sentir-me motivado acelero na recta final e lá estava a minha fã esperando por mim, mesmo com este tempo desagradável.

Consegui concluir a prova em 58m40s, ficando em 114º Lugar no meu escalão (M40) e 351º na geral. O Fernando Mendes, concluiu a prova, com o tempo de 53m08s, na posição 200 na geral e em 64º lugar no escalão (M40). As restantes classificações da prova, podem ser consultadas aqui.

Manuel Martins – OPraticante.pt

Análise do Europarque BioRun…

Em análise a este evento, dou uma boa avaliação, parecendo um desafio fácil, a lama em excesso dos trilhos aumentou a fasquia do desafio, no entanto, tendo sido uma prova que completava o desafio de 3 provas e as medalhas juntas eram alusivas ao castelo existente nesta região, embora na minha opinião, a box que era vendida em separado para a junção das 3 medalhas ser bastante agradável e de uma beleza única, poderia continuar ser vendida para os possíveis interessados.

Mas penso que a data limite seria até ao domingo da prova. Os banhos em boas condições, quentes e agradáveis, mas com um limite horário um pouco curto.

O facto de no local estar a ocorrer outro evento dinamizou a prova e o local, mas caso pretendam, recomendo que pesquisem e se inscrevam nas provas organizadas pela Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, pois tem tido bastante adesão e são muito completas. notando-se evolução a cada organização de eventos diferentes.

Almoço…

Depois da prova e do respectivo banho, tinha de comer uma francesinha, alguns locais que conhecia aqui na cidade e outros que me sugeriram entretanto.

Era dia de descanso nos restaurantes que tinha na minha lista… Após uma pesquisa e soluções possíveis encontramos a Cervejaria Norte, recomendo as cervejas artesanais disponíveis e uns pratos de carne com um nome sugestivo, mas a ideia era francesinha e assim foi… Depois de um bom almoço, rumo a casa para o merecido descanso…

Assim foi mais uma representação de OPraticante.pt, por terras de Santa Maria da Feira. O último grande desafio do ano, será a próxima semana, depois farei mais uma descrição, sobre “Lobo Solitário” nos trilhos e de volta às loucuras…

Até Breve!

[divide icon=”circle” width=”medium”]

Texto: Manuel Martins
Fotos: LAGO RestauranteEuroparque BioRun

Parceiros

Deixe uma resposta