Mobilidade e automóveis são os maiores desafios

Em 2020, Lisboa foi distinguida com o título de Capital Verde da Europa 2020, reconhecendo o esforço da cidade na caminhada para um futuro mais sustentável, na sua mobilidade.

Texto: Nolwen Graver
Fotos : Velo City 2021

Visualize também Bicicleta, Coronavírus leva a um boom em Portugal

Uma “experiência promissora”

O esquema de subsídios para bicicletas de Lisboa, que Fernando Medina afirma ter sido uma “experiência promissora”, ilustra estes esforços.

A Câmara Municipal de Lisboa lançou no ano passado um programa de subsídios de 3 milhões de euros que prevê 1,5 milhões de euros para apoio à compra de bicicletas convencionais, bem como 1 milhão de euros atribuídos a e-bikes e 0,5 milhões de euros a bicicletas de carga.

Este ano, o programa foi estendido para apoiar também as empresas, incluindo vouchers para conserto de bicicletas e para acessórios.

mobilidade
Fernando Medina

“Nosso maior desafio é a mobilidade”

Durante seu discurso, o prefeito destacou a importância de desenvolver uma economia circular para mitigar os impactos das mudanças climáticas .

Salientou ainda a importância do incentivo ao uso dos transportes públicos e da expansão da rede de ciclovias da cidade , mas admitiu que ainda existe alguma resistência em Portugal e no resto da Europa: “Temos um problema com o automóvel. Isso é uma realidade em todos os lugares”.

Em Lisboa, todas as bicicletas partilhadas são utilizadas 10 vezes por dia, mas ainda não é considerada a primeira escolha de transporte e, em 70% dos casos, é utilizada apenas para viagens curtas durante as horas de ponta.

Estou ansioso para ouvir mais boas ideias sobre este assunto”, acrescentou Medina.

O autarca de Lisboa sublinhou ainda o imenso potencial das energias renováveis ​​para todo o país, tendo a maior exposição solar diária da Europa.

Portugal conta actualmente com milhares de microprodutores de energia para a sua própria produção de energia e a rede continua a expandir-se.

Lisboa participou no desenvolvimento desta rede, investindo em infraestruturas de energias renováveis ​​para 25.000 casas pertencentes ao município.

Em muitas dimensões, a vida que vivemos não é sustentável. Se agirmos em tempo hábil, podemos fazer a diferença”, concluiu F. Medina.

Parceiros

Deixe uma resposta