Participação portuguesa no Campeonato do Mundo em Ponferrada

Joaquim Silva dinamita pelotão
e termina em 16.º na prova de fundo para sub-23

O português Joaquim Silva correu de forma inteligente e corajosa a prova de fundo para sub-23 do Campeonato do Mundo de Estrada, terminando na 16.ª posição a competição que se realizou em Ponferrada, Espanha, ao longo de 182 quilómetros, com vitória do norueguês Sven Erik Bystrom.
O campeão nacional de fundo de sub-23 manteve-se resguardado no pelotão durante nove das dez voltas ao circuito de 18,2 quilómetros, atacando na primeira subida da última volta. A ofensiva de Joaquim Silva destroçou por completo o pelotão e pôs em xeque o trabalho que a Austrália fizera para manter o grupo o mais compacto possível.
Ninguém conseguiu responder de imediato à movimentação do corredor luso, que, por isso, teve de pedalar em solitário. Quando foi alcançado pelos homens que contra atacaram já não conseguiu reagir. Ainda assim manteve-se no restrito grupo principal, cortando a meta na 16.ª posição, a 7 segundos do vencedor, que se isolou na subida final para não ser alcançado. O australiano Caleb Ewan foi o segundo classificado, enquanto o norueguês Kristoffer Skjerping fechou o pódio, ambos a 7 segundos do primeiro.
“Tinha de atacar naquele sítio para procurar fazer a diferença. Se o fizesse na última subida não ganharia mais de 20 segundos e acabaria por perdê-los a descer. Acabei por não conseguir chegar mais além, mas caí de pé. A selecção mostrou mais uma vez que Portugal tem corredores de qualidade”, afirmou Joaquim Silva.
Rafael Reis, 46.º, a 1m03s do vencedor, foi o segundo melhor elemento da Seleção Nacional/Liberty Seguros. Depois da excelente prestação no contrarrelógio, o jovem palmelense sentiu-se bem até perto do final.
Rúben Guerreiro, 75.º, a 6m10s, também sentiu no corpo a dureza provocado pela distância da prova e a fechar a representação nacional, ficou Ricardo Ferreira, no 80.º posto, a 9m18s.

Portugal com azar na prova de fundo para juniores e de elite feminina

Os quatro corredores portugueses que competiram no Campeonato do Mundo de Estrada, em Ponferrada, Espanha, não conseguiram concluir as suas provas, com o azar a bater à porta da Seleção Nacional. Logo pela manhã, nenhum dos lusos terminou os 127,4 quilómetros da prova de fundo para juniores, ganha ao sprint pelo alemão Jonas Bokeloch, diante do russo Alexandr Kulikovskiy e do holandês Peter Lenderink, que completaram o pódio.
Tiago Antunes, vítima de queda na volta inicial, foi o primeiro a abandonar a prova com problemas mecânicos na bicicleta.
O campeão nacional de fundo na categoria de juniores, André Carvalho, foi outro dos ciclistas envolvidos em acidentes de corrida, não conseguindo voltar ao pelotão. O terceiro elemento da Seleção Nacional/Liberty Seguros, Rui Oliveira, ficou desiludido, pois pensava que era capaz de chegar no pelotão, mas devido a problemas mecânicos e a corrente ter saído não consegui voltar à prova.
À tarde, Daniela Reis, que se estreava num Campeonato do Mundo alinhou para os 127,4 quilómetros da prova de fundo de elite feminina, mas teve de abandonar ao final da quarta das sete voltas, devido ao atraso acumulado até então. A prova de elite feminina foi ganha pela jovem francesa Pauline Ferrand Prevot, que bateu ao sprint as restantes integrantes do grupo de 12 corredoras que discutiu o triunfo. A segunda classificada foi a alemã Lisa Brennauer e a terceira a sueca Emma Johansson.

Rui Costa 23.º em Ponferrada na prova de fundo do Campeonato do Mundo

Rui Costa foi o melhor elemento da Seleção Nacional/Liberty Seguros na prova de fundo do Campeonato do Mundo de Estrada, ganha pelo polaco Michal Kwiatkowski, em Ponferrada, Espanha. O chefe de fila da equipa lusa manteve-se junto dos melhores até à derradeira subida dos 254,8 quilómetros, mas não foi capaz de responder aos ataques que aí surgiram, acabando no primeiro pelotão, com mais 7 segundos do que o vencedor.
O polaco Michal Kwiatkowski rematou da melhor forma o intenso labor dos compatriotas, que foram os primeiros a assumir a corrida, trabalhando arduamente para aproximar o pelotão dos quatro fugitivos iniciais, que chegaram a ter mais de 16 minutos de vantagem.
Na fase decisiva, quando os favoritos se marcavam para atacarem a derradeira subida, o vencedor da Volta ao Algarve deste ano surpreendeu toda a gente, atacando na descida mais técnica e perigosa, para não mais ser alcançado. Michal Kwiatkowski terminou a corrida, muito endurecida pelo mau tempo, em 6h29m07s. O pódio ficou completo com o australiano Simon Gerrans, segundo, e com o espanhol Alejandro Valverde, terceiro, ambos a 1 segundo, tal como os dois corredores que se seguiram.
Tiago Machado, 54.º, a 1m32s, e Nelson Oliveira, 67.º, a 5m12s, foram os outros portugueses que concluíram a prova. André Cardoso, José Mendes e Sérgio Paulinho não chegaram ao fim.

Foto principal: Rui Costa, André Cardoso, Tiago Machado, Sérgio Paulinho, Nelson Oliveira e José Mendes.

Parceiros

Deixe uma resposta