Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq
Coluna Esq

São Salvador do Campo, atletismo é tradição de Páscoa

As competições não param e mesmo em véspera de Páscoa, os eventos desportivos não deixaram de acontecer. Em destaque, os já tradicionais dois grandes prémios de atletismo da Páscoa, a Sul o de Constância e a Norte, o de São Salvador do Campo. A equipa de OPraticante.pt esteve no evento nortenho que encheu as ruas locais com animação e competição.

O 21º Grande Prémio Atletismo da Páscoa aconteceu no Sábado (20) de Abril pelas 15h30 em São Salvador do Campo e foi uma organização do Clube Desportivo de São Salvador do Campo, em colaboração com a Câmara Municipal De Santo Tirso, a Freguesia de Vila Nova do Campo, a Federação Portuguesa de Atletismo, a Associação de Atletismo do Porto, o Conselho Regional de Arbitragem de Atletismo do Porto e o Comércio e Indústria Local.

Do evento fizeram parte provas jovens para os diversos escalões etários: Benjamins A M/F (600 metros), Benjamins B M/F (1.300 metros), Infantis M/F (1.700 metros), Iniciados M/F (2.500 metros), Juvenis M/F (3.500 metros). A prova maior do evento foi na distância de dez quilómetros para juniores, seniores e veteranos.

Percurso com sobe e desce e marcado pelo forte calor

É sabido que correr nesta zona envolve sempre percursos marcados pela irregularidade do terreno e o sobe e desce será constante. Não era a primeira vez que corria nesta prova, portanto já sabia que o percurso seria um bom desafio.

O Grande Prémio Atletismo da Páscoa teve uma extensão de dez quilómetros percorrida em duas voltas a um percurso de cinco quilómetros misto quer de empedrado quer de asfalto por entre as ruas da aldeia.

A prova tinha partida e chegada junto à escola primária local e o primeiro quilometro de prova é percorrido em empedrado pelas ruas adjacentes à igreja local. A primeira metade deste percurso era bastante exigente onde após a passagem do primeiro quilometro, os atletas subiam pela Rua da Sobreira e pela rua da Quinta do Olival.

A segunda parte deste percurso era em terreno descendente com um piso em asfalto de boa qualidade e que levava os atletas de volta à estrada da escola primária, onde tinham de voltar a repetir o percurso para completar os dez quilómetros de prova.

A principal dificuldade desta prova não esteve no seu percurso. Com mais ou menos dificuldade, o percurso conseguisse fazer e sendo um percurso com uma faceta de subida e outra de descida, mesmo que se perdesse algum tempo na subida, podia se compensar na descida seguinte.

O grande obstáculo foi mesmo o calor que se fez sentir. Na hora em que a prova principal começou, 17 horas, devia estar uma temperatura a rondar os 30 graus e que causou muitas dificuldades nos atletas.

Vencedores

António Pedro Rocha dá a vitória ao clube da casa

O 21º Grande Prémio da Páscoa de São Salvador do Campo teve como vencedor o atleta representante do clube da terra, António Pedro Rocha (31:50min). O vencedor da corrida do dia do Pai no passado mês de Março foi mais forte no sprint final na recta para a meta ao bater Paulo Barbosa (31:53min). A fechar o pódio ficou outro atleta do São Salvador do Campo, Daniel Pinheiro com um tempo de 32:10min.

 

Clarisse Cruz vence competição feminina

Na competição feminina deste Grande Prémio a vitória foi para Clarisse Cruz do Grecas. A atleta olímpica dos 3000 metros em Pequim’2008 e Londres’2012 cruzou a linha de meta isolada com um tempo de 37:17min. A completar o pódio ficaram Jéssica Pontes do Sporting Clube de Braga com 38:31min e Rosa Madureira com 38:52min.

Rosa Madureira

Vencedores por escalão

A prova teve vencedores por escalão e estes foram os seguintes:

Na competição masculina triunfaram Hugo Teles do U.D. Várzea(Juniores), António Pedro Rocha do C. D. São Salvador do Campo (Seniores), Artur Rodrigues do Grupo Desportivo e Cultural de Guilhovai (VetA), Davide Figueiredo do C. D. São Salvador do Campo (VetB), Joaquim Figueiredo do C. D. São Salvador do Campo (VetC), José Fernandes do g d 3 santos populares (VetD) e Pedro Terra do SSP Município São João da Madeira (VetE) .

Na competição feminina venceram Alice Oliveira do Maia A.C(Juniores), Clarisse Cruz do Grecas (Seniores), Rosa Madureira (F40) e Lídia Pereira do GDR Granja – Trutas do Mau (F50).

Nelson Pais, um speaker à altura do evento

Provas Jovens

O evento teve várias corridas para os mais jovens. Os vencedores foram os seguintes:

Benjamins A (Henrique Silva do Clube Atletismo Estrelas do Marco de Canaveses e Mariana Martins da E. A. Rosa Oliveira), Benjamins B (João Rodrigues do Villa Cesari / Flama e Daniela Nogueira do A. D. Lustosa), Infantis (Tiago Pinto do Clube Atletismo Estrelas do Marco de Canaveses e Lara Costa do U.D.Várzea), Iniciados (Francisco Silva da E. A. Rosa Oliveira e Cristiana Nogueira da A. D. Lustosa), Juvenis (Rúben Pires do U.D.Várzea e Filipa Lopes do U.D.Várzea).

Provas jovens são uma das imagens de marca deste evento

O Grande Prémio de Atletismo da Páscoa teve partida e chegada junto à igreja de São Salvador do Campo e sendo que o local de gerência da prova era dentro da escola primária. Lá dentro funcionava o secretariado que foi expedito a tratar da entrega dos dorsais e das camisolas. Na escola havia ainda ao dispor dos atletas casas de banho e balneários, ou seja, tudo reunido num só local.

A tarde desportiva começou cedo, por volta das 15 horas com as diversas corridas jovens promovidas para os jovens atletas que sempre aderem com a sua alegria e vivacidade a este desporto, pois para se estar nestas práticas tem que se querer e não somente estar.

 

Provas jovens para estimular a prática desportiva

As corridas jovens são já uma imagem de marca de todos os eventos de atletismo organizados pelo clube desportivo local, o mesmo acontece aquando da meia maratona do jesuíta. Este é certamente um dos eventos do calendário desportivo da associação de atletismo do Porto que mais jovens tem a correr nas suas provas jovens e a comprovar isso está a aderência de muitas escolas de formação locais que trazem os seus atletas mais jovens a esta prova.

Sou da opinião que todos os eventos de atletismo deviam ter associadas a eles provas jovens para estimular a prática desportiva desde tenra idade. Durante o aquecimento para esta prova foi bom ver os atletas mais velhos a aquecer e por entre eles passarem sempre de forma ordenada os atletas mais jovens que estavam a competir. Assim vale a pena o desporto!

Há que deixar uma palavra de apreço para todos os jovens atletas que participaram nesta prova pois foram uns corajosos já que se fizeram à estrada debaixo do calor tórrido que se fazia sentir entre as 15 e as 16horas e em especial para uma atleta que após terminar a sua prova com toda a bravura acabou por perder as forças após a linha de meta e teve de ser socorrida pelos bombeiros.

Boa organização do GD de São Salvador do Campo

Os eventos organizados pelo Grupo Desportivo de são Salvador do Campo são sempre de boa qualidade logística e onde raramente falham.

Junto ao espaço da partida/meta tudo estava delimitado e vedado. O secretariado da prova funcionava dentro da escola primária como mencionado anteriormente e no espaço do recreio estava o espaço para a cerimónia protocolar e na entrada da escola funcionava o bar típico de uma comissão de festas que teve uma boa afluência por parte daqueles atletas que gostam de conviver após esta prova com a tradicional malga de vinho tinto na mão.

No secretariado era entregue aos atletas, o dorsal, o chip e uma t-shirt técnica branca alusiva a prova. Após a prova, para além da medalha finisher era entregue, uma garrafa de água e a já tradicional garrafa de vinho verde, ou esta zona do pais não fizesse parte da rota dos vinhos verdes. Para um preço de inscrição a rondar entre os 7/8.5 euros, o que foi entregue aos atletas está a um nível favorável.

Percurso da prova, este esteve na sua totalidade isolado

No que toca ao percurso da prova, este esteve na sua totalidade isolado quer por voluntários quer por agentes da autoridade. Foi um percurso sinalizado à moda antiga, ou seja, sem indicação de quilometragem.

A prova teve um abastecimento de água à passagem do quilómetro cinco como mandam as regras, mas acredito que dado o calor que se fez sentir, se a prova tivesse um segundo abastecimento intermédio era de valor. Os atletas mais atrasados do pelotão sofreram com a escassez de água., tendo visto pessoas a pegar em garrafas com água atiradas ao chão nas provas jovens para aproveitarem o restante da água parasse refrescarem. Este é o único ponto negativo que tenho a apontar a todo o evento.

A prova teve antes da partida e após a partida, um excelente speaker que não era repetitivo e para além disso procurava sempre entrevistar atletas com mais nome que estavam presentes na prova

Mais público nas ruas da aldeia

Quando participei na meia maratona do Jesuíta, escrevi na reportagem do evento que poucas foram as pessoas a assistiram à prova. Agora neste Grande Prémio da Páscoa tenho de elogiar as gentes locais, em muitas casas, esplanadas de cafés, mesmo na berma da estrada, muitos foram aqueles que apoiaram os atletas presentes na prova. Um bem-haja para aquelas pessoas que em sua casa usaram as mangueiras para refrescarem os atletas que estavam a sofrer com o calor.

Evento já é uma tradição de Páscoa

Esta prova é já um marco no atletismo nortenho no fim de semana de Páscoa. Muitos são os atletas que se deslocam a São Salvador do Campo. Para isso muito contribui a simpatia com que são recebidos, a qualidade do evento e claro está a tabela de prémios monetários que esta prova oferece aos primeiros classificados das provas. São valores sempre muito elevados e de fazer inveja a muita promotora de topo.

Quer esta prova quer a meia maratona do jesuíta são provas levadas a cabo pelo Grupo Desportivo de São Salvador do Campo que luta por trazer o atletismo a esta terras de jesuítas e tem-no conseguido, através deste evento e da Meia Maratona do Jesuíta.

Meia Maratona do Jesuíta

Contudo temos de falar dos números de adesão desta prova neste ano de 2019 que teve 211 finisher na prova principal e verificou uma grande quebra de adesão em relação aos 368 e 370 dos anos anteriores. Percurso já conhecido pela sua dureza? Terá sido o calor que fez muita gente desistir da prova? Algo se passou e é desanimador ver um evento tão bom a ter assim pouca afluência de atletas.

Texto: Nuno Fernandes
Fotos: Fotos António Sousa

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta