Privacy Policy Page
Privacy Policy Page
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Dto
Coluna Esq
Coluna Esq

Carolina Duarte: «Adiamento deixou-me apática»

Continuamos hoje com a Carolina Duarte a dar palavra aos atletas do desporto adaptado, aqueles que já estavam a trabalhar para conseguir uma cota de participação nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020.

Atletas que viram o seu sonho adiado. Que encararam a situação provocada pelo surto de coronavirus com surpresa, mas que souberam adaptar-se e continuam a preparar a sua concretização do sonho.

Entre os treinos e confinamento, veremos agora como está a ser a vida de Carolina Duarte.

Carolina Duarte

«Adiamento deixou-me apática» Carolina Duarte

Carolina Duarte (30 anos) é uma velocista com medalhas alcançadas em grandes competições, a última das quais, a de prata, dos 400 metros, nos Mundiais IPC que decorreram no Dubai, Emiratos Árabes Unidos.

A atleta do Sporting Clube de Portugal, integrada na categoria T13 (deficiência visual), ficou muito surpreendida com a notícia do adiamento dos Jogos Olímpicos para 2021.

«Nunca acreditei que os Jogos fossem adiados para 2021 até ao dia em que realmente foram. Nesse dia fiquei bastante apática. Não tinha qualquer tipo de sentimento, nem bom nem mau. Foi estranho porque um ano é muito tempo», referiu a atleta que, pouco depois, já estava a pensar com clareza a ponto de afirmar, sem qualquer dúvida, que os Jogos «continuam a ser objetivo. É uma situação diferente para todos os atletas, mas é a nova realidade que temos pela frente».

Como todos os atletas teve que alterar o seu modo de vida e de treino.

«O treino em confinamento é um grande desafio. Comecei por fazer treinos na praia, mas que fechou poucos dias depois. Então adaptei os treinos de corrida no parque.

Os treinos de circuitos de força não mudaram muito porque o meu tipo de treino não é altamente dependente de um ginásio muito equipado, até porque em Londres (onde vivi) o ginásio pouco tinha e os treinos são adaptados a isso.

Ainda assim comprei alguns equipamentos e acessórios para poder fazer tudo em casa», refere a atleta que cumpre integralmente um esquema de treino.

Vice-campeã
Carolina Duarte 100m -T13

A única coisa que não tenho é tempo para me aborrecer!

Carolina Duarte ainda não consegue quantificar ou qualificar as implicações que estes tipos de treino podem trazer, atendendo a que não existem objetivos competitivos esta época.

«As implicações para as competições nesta época é algo em que ainda não pensei, até porque não sei que competições se irão realizar de facto. Agora estou mais focada em continuar a treinar e em manter a forma o mais possível até que as condições voltem ao normal. Depois será outra fase», refere.

Fora dos treinos ou do tempo para manter a forma física encontra outras atividades. «Felizmente, a única coisa que não tenho é tempo para me aborrecer!

Felizmente mudei há pouco tempo para uma casa com jardim e, por isso, passo bastantes horas a jardinar: semeio plantas, trato das flores, arranjo o jardim.

E também tenho dois cães que me conseguem ocupar por muito tempo. Mas tenho saudades de ir à pista e de estar com a minha família, que também está em confinamento», conclui a atleta.

Resumo de Palmarés

Carolina DuarteNome: Carolina Duarte
Classe: T13
Local/data de nascimento: Lisboa, 08/01/1990
Clube: Sporting Clube Portugal
Treinador: Christopher Junior Zah
Recordes Pessoais: 12,43 s (100 m) / 25,30 s (200 m) / 56,09 s (400 m)

Destaques:
Vice-campeã Mundial IPC, de 400 metros, Dubai 2019
– Medalha de bronze Mundial IPC, de 400 metros, Londres 2017
Campeã da Europa nos 400m, Berlim 2018
Vice-Campeã da Europa nos 100 e 200m, Berlim 2018

Visualize também as entrevistas de:

João Correia: «Treino em casa não é novidade» 

Carina Paim «Estava bem e motivada»

José Azevedo “Estou a treinar a 100% com prevenção”

Texto: António Fernandes (com a colaboração do técnico José Silva)
Fotos: Comunicação Federação Portuguesa de Atletismo

 

Sobre o Autor

Artigos relacionados

Deixe uma Resposta